A história dos movimentos sociais no Brasil

Governos autoritários e as lutas pela liberdade e democracia nas décadas de 70 e 80. As grandes revoltas dos movimentos sociais no Brasil. Movimentos como a Inconfidência Mineira, Revolução Federalista e outros.

» Página Inicial

Os movimentos sociais no Brasil têm sua história marcada pelos grandes embates realizados contra os governos autoritários, sobretudo ainda nas lutas pela liberdade e democracia, na década de 70 e parte da década de 80 é considerado como inspiração no que diz respeito à ideologia que movia mentes e corações desses movimentos sociais. Nos anos 90 o Brasil se encontrava no auge do Neoliberalismo, que tinha como influencia diretamente por Ronald Reagan e Margareth Thatcher que foi tido como berço das lutas contra os governos FHC, do sucateamento de todos os aparelhos estatais, das “privatarias”, do desrespeito aos trabalhadores e as trabalhadoras do Brasil e de todos os traços básicos de um governo que não dialogava com os movimentos sociais, pois estava ao lado das elites brasileiras e internacionais em nome do capital privado, sem levar em consideração o povo que vivia a margem da “democracia” então vivida.

História dos Governos autoritários e as lutas pela liberdade e democracia nas décadas de 70 e 80.

As grandes revoltas dos movimentos sociais se deram pela luta de algumas décadas em busca da democracia, e quando ela chega ao fim, os governos “democraticamente” eleitos não são necessariamente governos que tem em seu DNA a classe trabalhadora, a integração latina americana e as minorias organizadas ou não.

Diante disto, pode ser afirmado que um movimento social normalmente vem de condições adversas, pois dos piores períodos é que nasce as grandes mobilizações, fruto da angústia e da falta de condições básicas para o povo sobreviver. Para entender o verdadeiro significado dos movimentos sociais na história do Brasil, é preceito principal se focar na consolidação da democracia e na garantia de várias das liberdades que gozamos hoje, e também para compreender as ações e efeitos que vivem o movimento social nos dias de hoje.

Segundo uma pesquisa realizada por Nelson (1979), sobre as Associações de Moradores na América Latina, especialmente Venezuela, Peru, México e Chile, constatou que este tipo de movimento apresenta profundas cisões provocadas principalmente pelas rivalidades partidárias. Apesar de tratar-se de outra realidade, é importante mencionar estas conclusões para mostrar que este é um fenômeno que atinge não só a realidade do movimento associativo brasileiro, mas de uma boa parte da América Latina.

Completam Diniz e Boschi (1989) que dizem que também identificam o “caráter potencialmente divisivo das identificações partidárias no âmbito das comunidades”, onde há certa “dissociação entre o discurso autonomista e a prática comprometida com uma determinada orientação partidária”, o que esclarece algumas questões duvidosas sobre as verdadeiras causas dos movimentos sociais no Brasil.

As grandes revoltas dos movimentos sociais no Brasil.

Atualmente estamos num período de transição positiva, em que o Brasil consegue aliar crescimento, democracia, participação popular e conseguir destaque mundial na política e na economia, e deste modo o movimento social passa a agir de outra forma, começando a pautar o Governo a partir de mobilizações pontuais e da apresentação de propostas que agora são bem recebidas, pois os grandes embates antigos viam dos momentos em que o diálogo é esvaziado, e atualmente onde há diálogo, o embate não é considerado a principal ferramenta de solução.

Inconfidência Mineira

Aconteceu no ano de 1789 e foi uma tentativa de dividir a capitania de Minas Gerais. A capitania queria acabar com o domínio da Coroa Portuguesa, mas o movimento não chegou a ser consumado, sendo então interceptado pelo Governo da época.

A Inconfidência Mineira também é conhecida como Conjuração Mineira, onde tinha a finalidade de trazer a liberdade dos cidadãos mineiros que queriam se ver livres da dominação vinda de Portugal.

Revolução Federalista

Aconteceu no sul do Brasil nos anos de 1893 a 1895. O motivo da Revolução foi a insatisfação dos federalistas para com o Governo do Estado do Rio Grande do Sul da época, Júlio de Castilhos, que era membro do então Partido Republicano Rio-Grandense.

O conflito foi caracterizado pelo embate dos dois grupos rivais: os chimangos (eram a favor da manutenção do cargo político) e os maragatos (que queriam tirar o governador do poder).

Movimento Negro

Esse é o nome dado aos movimentos raciais que lutam pela igualdade racial ao longo dos anos na sociedade. Durante o período de escravidão no país, os grupos de resistência e libertação já existiam em prol do povo negro, que surgiu a partir da década de 70.

O movimento negro continua até hoje, pois luta contra o racismo, a discriminação e a diferença que ainda permeia a sociedade, mesmo que em uma escala diferente. Muitos cidadãos ainda ganham um salário bem menor do que o esperado, justamente por serem negros.

República Velha (1889-1930) 

Em 1892, o Primeiro Congresso Socialista do Brasil ocorreu no Rio de Janeiro. Mais tarde naquele ano, em São Paulo, outro Congresso Socialista, independente deste último, aconteceu. Naquele mesmo ano, o Partido Operário Socialista foi fundado no Rio de Janeiro. Este é considerado o primeiro partido socialista no Brasil. Em 1895, também no Rio, foi fundado o Partido Socialista Operário. Nesse mesmo ano, Silvério Fontes, considerado o primeiro brasileiro marxista , lançou o Centro Socialista de Santos, que em breve publicado na revista socialista.O primeiro grande partido socialista do país foi fundado em 1902, em São Paulo, sob o auspício do imigrante italiano Alcebíades Bertollotti, que já foi o responsável pelo Avanti ,o jornal oficial do Partido Socialista Italiano.A difusão de idéias socialistas aumentou durante a Primeira Guerra Mundial, mas a maioria dos grupos de esquerda brasileiros ainda estava alienada do público em geral.

Ainda hoje, vários movimentos já se levantaram no Brasil e no mundo com o fim de protestar por uma causa, como o Movimento Estudantil, Indígena, Diretas Já, Caras Pintadas, dos Trabalhadores Sem Terra, Mulheres em Luta, Passe Livre e aqueles de cunho político, de classes e de resistências.

Os protestos são importantes para lembrar que existem ideais, necessidades e vozes a serem ouvidas. Milhares de outras pessoas em todas as épocas lutaram por uma causa, se arriscaram para salvar aquilo que acreditavam.

Fontes úteis:

https://mudanca.org.br/2011/05/11/um-breve-relato-sobre-a-historia-o-brasil-os-movimentos-sociais-e-alguns-desafios-do-movimento-estudantil/

Por Redação, Aline Priscila da Silva Muniz Nóbrega e G Produções Editoriais


 
Veja também: