O que é filosofia e razão, princípio de identidade e não contradição

Perguntas e respostas sobre o que é filosofia e como funciona a razão? O que é princípio de não contradição e identidade e quais as fontes deste estudo. Veja as suas principais características e críticas que ela recebe.

» Página Inicial

Basicamente a filosofia se ocupa no estudo de questões de grande importância na vida humana, como o próprio conhecimento, a razão de nossa existência, a verdade, os aspectos morais e tantos outros que são de grande significância ao homem. Ela se baseia na razão para tentar explicar esses fatores complicados, contudo, ainda que baseado na razão, usa fatores empíricos resultado do raciocínio e nem sempre no rigor científico. Consiste na aspiração do conhecimento racional, lógico e sistemático da realidade natural e humana. Segundo José Marinho, “um homem que não é filósofo é tudo menos um homem!”

Quais são as principais críticas sobre a filosofia?

Filosofos

Acho que a melhor de todas que ouvi foi de um professor de religião que tenho. Não sei se a frase é dele, mas é muito interessante e resume muito bem a questão. Diz ele:

"Se você chegar para a filosofia e disser: vou procurar a verdade. Ela dirá: ótimo, faça isso mesmo. Mas, se depois de algum tempo você voltar a ela e disser: encontrei a verdade, ela dirá: Não, isto é impossível". 

Como funciona a razão?

Desde seu surgimento, a Filosofia sempre considerou que a Razão acontece de acordo com os princípios racionais. Tais princípios são a garantia de que a realidade natural e humana possa ser conhecida verdadeiramente. A razão humana funciona baseada em três princípios que permitem a formulação de pensamentos para compreensão da realidade e para a comunicação.

  1. Princípio de identidade.
  2. Princípio de não contradição.
  3. Princípio do terceiro excluído.
  4. Princípio da razão suficiente.

O que é princípio de identidade?

Princípio de identidade é a capacidade que a alma humana possui de especificar, separar e enumerar os elementos de realidade. Por exemplo: matéria, luz, fogo, e etc. Segundo este princípio, uma coisa só pode ser conhecida e pensada se for respeitado e conservado sua identidade.

O que é princípio de não contradição?

Princípio de não contradição é uma regra que diz que um elemento identificado não pode ser o contrário de si próprio, esse elemento jamais, em hipótese alguma poderá estar em contradição. Por exemplo: matéria não pode ser vácuo, luz não pode ser sombra. Sem este princípio, o da identidade não funcionaria; pois, se uma coisa ou uma ideia, por exemplo, se negarem a si mesmas, elas se autodestroem. De fato, torna-se impossível afirmar e negar a mesma coisa em relação a algo, ao mesmo tempo e em uma mesma relação.

O que é princípio do terceiro excluído?

Princípio do terceiro excluído é uma regra que afirma que um elemento identificado, só pode ser pensado como si próprio e como seu inverso, excluindo qualquer outra possibilidade. Por exemplo: matéria pode ser presença de matéria ou ausência de matéria e não há outra opção além dessas duas, luz pode ser luz ou escuridão (ausência de luz) e não há outra opção além destas duas. Este princípio estabelece que não exista uma terceira possibilidade. Está geralmente ligado a um dilema, do qual é preciso optar por uma das alternativas: “ou isto ou aquilo”.

O que é princípio da razão suficiente?

É a ideia de que tudo que existe ou até mesmo que acontece possui uma razão de ser (causa ou motivo) ou de acontecer. É também conhecido como princípio da casualidade, pois defende que tudo o que existe ou tudo o que acontece tem uma causa.

Quais as fontes deste estudo?

No livro Organon, Aristóteles explica o funcionamento da razão humana. O estudo da razão humana faz parte do estudo da alma humana, trata-se de uma das faculdades da alma humana, este estudo começa em Ética a Nicômaco.

Qual a importância deste estudo?

Da definição do funcionamento da razão, descenderam demais estudos, como a lógica e os níveis de leitura dentre os quais se encontra a dialética, na qual um texto é examinado aos olhos da lógica, buscando sua veracidade ou falsidade. O processo de aplicar lógica em um texto na filosofia é chamado análise proposicional. Em outras áreas, a partir do século XIII iniciou-se um estudo que levariam à criação da álgebra booleana na matemática, por exemplo, como abstração da razão em termos simbólicos numéricos.

Onde é possível encontrar o uso da razão de forma profissional como análise de texto?

Usa-se frequentemente em direito, na análise dos textos, na defesa de teses de defesa por parte da defensoria e de acusação por parte da promotoria, bem como nas dissertações dos réus e das testemunhas.

Para que filosofia?

Essa é uma pergunta muito corriqueira no meio acadêmico e fora dele. De fato, não é comum encontrar alguém questionando “para que matemática”, ou “para que química”, etc. Isso se dá pelo fato de que para muitos uma coisa só existe ou é importante se possuir alguma finalidade prática, visível, e que traga consigo uma utilidade imediata. Entretanto, as próprias ciências buscam o conhecimento verdadeiro, o qual só poderá ser obtido por meio de procedimentos rigorosos e de instrumentalização técnica. Isto é, as ciências fazem uso da racionalidade dos conhecimentos. Neste sentido, os elementos que constituem as ciências, tais como: verdade, acumulação de saberes, tudo isso são elementos filosóficos e não científicos. Na prática, os cientistas partem de princípios que já foram respondidos anteriormente pela filosofia. Em resumo, a filosofia serve para dar base ao conhecimento científico.

Quais são as principais características da filosofia?

É consenso entre os estudiosos que a filosofia se sustentou no desenvolvimento da Razão. Neste sentido, torna-se compreensível a coincidência de características entre ambas. Entre as mais importantes estão: o princípio da racionalidade; o ideal de objetivo; sistematização do saber; metodologia definida; profundidade na relação com o objeto a ser conhecido; além de uma linguagem isenta de ambiguidade.


 
Veja também: