Qual a diferença de porque, porquê, por que e por quê?

Veja neste artigo qual a diferença do uso de porque, porquê, por que e por quê na língua portuguesa. Veja quando usá-lo em perguntas, respostas, como substantivo e ao final de perguntas. Entenda o artigo.

» Página Inicial

Dificilmente nós, falantes da Língua Portuguesa, erramos o uso dos porquês na linguagem oral. São palavras que usamos constantemente e sem dificuldade. Na linguagem da internet, o internetês, há quem use “pq” por mera questão de comodidade, evitando-se assim, o incômodo de pensar qual o porquê adequado para cada caso.

A língua escrita, com sua formalidade, exige um certo esforço dos falantes já que requer o uso correto da gramática portuguesa. Neste caso, faz-se necessário que dominemos as regras dos porquês.

Uma das regras mais difíceis de assimilar, certamente é o uso dos porquês, já que há quatro formas de empregá-los em nosso idioma e cada um dele em situações bem distintas, portanto é necessário a compreensão do mesmo para que possamos fazer o uso correto dele. Vamos às regras:

Diferenças de porque

PORQUE (junto e sem acento circunflexo)

É uma conjunção normalmente usada em respostas. Perceba que pode ser trocado por: pois, já que, uma vez que e como. Também serve explicações e causas.

Exemplos:

PORQUÊ (junto e com acento)

Funciona como substantivo e vem logo depois de um artigo ou de um pronome. Representa um motivo, uma razão.

Exemplos:

POR QUE (separado e sem acento)

É usado em perguntas, títulos e manchetes. Estão subentendidas as palavras “motivo” e “razão”. O POR é uma preposição. Já o QUE pode ser um pronome interrogativo ou relativo.

Exemplos:

Quando o QUE é um pronome relativo, ele pode ser substituído por “pelo qual, pela qual, pelos quais ou pelas quais”:

Exemplos:

POR QUÊ (separado e com acento)

Esse tipo ocorre sempre no final de frase ou quando logo depois vem um ponto de exclamação ou interrogação.

Exemplos:


 
Veja também: