O que é energia radiante

» Página Inicial

A energia radiante é a que tem ação eletromagnética, como os raios produzidos pelo sol (radiação ultravioleta – UV), a luz, o microondas, o raio x, os raios gama, a luz visível e as ondas do rádio, por exemplo. Para que o calor seja transmitido, não há necessidade de um meio material e acontece pelo vácuo. É dessa maneira que a luz solar chega até nós, e faz com que a luz atravesse o vidro. A sua unidade é dada em Joule (J) e é considerada uma grandeza radiométrica fundamental.

Essa forma de energia é classificada pelo comprimento da frequência (ou da onda), formando o espectro eletromagnético. É possível que qualquer objeto possa transmitir a energia radiante, e pode ocorrer uma variação de acordo com a temperatura. Quanto mais quente estiver, mais energia radiante irá liberar, do que objetivos mais frios. O calor que é transferido pela radiação abrange a faixa do espectro que é chamada de infravermelho (IV).

É importante dizermos que as características físicas de um objeto podem interferir na radiação, pois se ele for mais rugoso ou opaco, pode haver diferença. Normalmente nesse caso, são aquecidos de maneira fácil pela radiação, e assim, se tornam bons absorvedores de calor radiante. Já os polidos e lisos são bons refletores e não se aquecem bastante.

Não podemos deixar de falar que os de cor escura também absorvem melhor a energia radiante que os mais claros. Uma aplicação desse tipo de energia em nosso dia a dia é hoje em dia conseguimos fazer um isolamento térmico capaz de suportar as variações de temperatura do ambiente. A energia radiante e suas propriedades foram descobertas em 1875 por Sir William Crookes, e em 1934 o cientista Thomas Henry Moray realizou demonstrações.

O que é energia sonora

A energia sonora é aquela que é capaz de ser identificada pelo ouvido. Através de ondas, o som chega aos nossos ouvidos, e ela se transforma em sinais elétricos no nosso ouvido interno, que tem ligações diretas com nervos do cérebro. Através desse sistema do nosso corpo que conseguimos ouvir os sons. Alguns não são capazes de ser detectados pelo ouvido humano, ou por serem muito fracos, ou muito fortes ou muito distantes.

Há animais (como o morcego, a baleia, o cachorro, o elefante, o chipanzé, o gato e os pássaros, por exemplo) que conseguem ouvir ruídos que não conseguimos, e esse fato se deve a condição de que o ouvido humano identifica sons do intervalo de 20 a 20 mil hertz. Fora disso, não são reconhecidos por nós e o nosso cérebro não registra a onda. Os limites da audição podem sofrer com algumas alterações, já que conforme envelhecemos e o tempo passa, ouvimos menos frequências.

Essas ondas têm a capacidade de fazer o transporte de energia sem transportar a matéria. O som não se propaga no vácuo, já que é uma onda mecânica. Ele é produzido quando dois objetos se encontram em velocidades diferentes e em direções iguais ou opostas.

O que é energia reticular

A energia reticular é aquela que é necessária para separar totalmente (a qualquer distância do universo) os íons em fase gasosa de um mol de composto gasoso. Assim sendo, podemos afirmar que ela é uma medida da energia da ligação iônica. Não há como fazer experimentos com esse tipo de energia, apenas ter uma estimativa numérica através do Ciclo de Born-Haber.

O físico Max Born (1882 -1970) e o químico Fritz Haber (1868 – 1934) foram dois premiados cientistas alemães que em 1917 chegaram à conclusão de que existe um ciclo termodinâmico que consegue realizar o cálculo da energia do retículo de substâncias iônicas, que é realizado pela Lei de Hess. Em 1918, Fritz Haber foi agraciado com o Prêmio Nobel de Química pela descoberta do amoníaco e em 1954, Max Born recebeu o Prêmio Nobel de Física por sua pesquisa na área de ondulatória e em mecânica quântica.

O ciclo completo que os dois cientistas sugeriram possui as etapas a seguir: atomização do metal; atomização do que não for metal; ionização do que for metal por meio da ionização; ionização do que não for metal pela afinidade eletrônica e assim formar os sólidos iônicos. A soma de todos esses fatores resulta na energia reticular.


 
Veja também: